quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Voar (Poesia)

Troy, Jean-François de, An Allegory of Time Unveiling Truth, 1733.
Londres: National Gallery.
https://www.wga.hu
Voar

Se rasante
Voas
Sobre as coisas
Pairando
Vendo
Desconhecendo
Em nada encontrarás
A profundidade
Íntima
E electiva
Voa antes a pique
Falcão peregrino
Rasgando
Conhecendo
O abismo
Da realidade

27 de Setembro de 2019
RMdF

terça-feira, 8 de outubro de 2019

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

A Sombra da Vida (Poesia)

Caravaggio, Narciso, 1598-99.
Roma: Galleria Nazionale d'Arte Antica.

A Sombra da Vida


Como setas e dardos
                                   O vento nas folhas

Como espada e gume
                                     A onda no areal

Como sangue e ferida
                                     O fogo no madeiro

Como guerra e morte
                                    A ignorância no humano


Essa é a sombra da vida
                                        A sabedoria ausente


3 de Setembro de 2019
RMdF

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

A Serpente da Sabedoria (Poesia)

Bourdon, Sébastien, Moses and the Brazen Serpent, 1653-4. 
Madrid: Museu do Prado.
https://www.wga.hu/

A Serpente da Sabedoria


Na sua serpente avançarás
Girando sozinho em círculo
Ou serpenteando o caminho
Pisarás a via da providência
Sulcando as ruas do destino
E as alamedas da liberdade
E no fim concluindo a senda
Filho de Sophia serás quem és


6 de Agosto de 2019
RMdF

terça-feira, 30 de julho de 2019

Sugestão de Leitura: Carl Gustav Jung - Memórias, Sonhos, Reflexões


Jung, Carl Gustav, Memórias, Sonhos, Reflexões.

Tradução: António Sousa Ribeiro.

Lisboa: Relógio D'Água, 2019.

ISBN: 9789896419509

Páginas: 424

Preço: 20€

quinta-feira, 11 de julho de 2019

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Uma Ferida no Ar (Poesia)

Gérard, François, Cupido e Psyche, 1798.
Paris:Museu do Louvre.
Uma Ferida no Ar


Não Não ______________
Nem o mar é rude e crespo
Nem as ondas ferem o ar
Violentos são os rochedos
Os cumes em alta escarpa
E os promontórios afiados

Não Não ______________
Nem a terra é mansa e triste
Nem as árvores ferem o ar
Belicosas são as montanhas
E ainda as pedras do ocaso
Do destino firmes contendas

Não Não ______________
Nem o vento é revoltado e só
Nem as aves do céu ferem o ar
Cortante é o grito de uma brisa
A ira dançarina de um tornado
E o vendaval numa madrugada

Não Não ______________
Nem o Sol é solitário e ardente
Nem os seus lumes ferem o ar
Cruel é o céu sem luz ou estrela
O astro errante do olhar ocultado
É a vida que sobrevivente recua

_____________ perdida a alma
Da sabedoria é uma ferida no ar


6 de Julho de 2019
RMdF


Fonte da Imagem: https://www.wga.hu/framex-e.html?file=html/h/holbein/hans_y/2drawing/1530/07studie.html&find=writing